Band começa 2018 com cortes e demite trabalhadores do jornalismo, artístico e operações.

O ano de 2018 já começou negro para quem trabalha na Band. Nesta quinta (4) e sexta (5), uma série de demissões em algumas áreas chaves foram registradas, como jornalismo, artístico e operações.

Segundo informações obtidas pelo Observatório da Televisão, no setor de jornalismo, inúmeras demissões ocorreram.

Algumas delas foram de Débora Cunha, chefe de redação da emissora; Paulo Salgado, editor do Café com Jornal; Carla Brandão, pauteira do Jornal da Band; Célio Galvão, editor do Jornal da Band; e Lúcio Tabarelli, repórter mais antigo do Brasil Urgente, apresentado por Datena.

Quem também foi dispensado foi o repórter Antônio Petrin, um dos mais conhecidos da casa. Petrin foi repórter esportivo na casa e no início desta década, realizava matérias de jornalismo geral. Ele chegou a substituir Bóris Casoy no Jornal da Band, quando este foi para a RedeTV!.

Já no artístico, pelo menos duas dispensas ocorreram. Isabela Aguiar, produtora com sete anos de casa, foi demitida. Além disso, uma demissão ocorreu na já enxuta equipe do programa Só Risos, dominical exibido antes do Pânico.

Por fim, um grande corte ocorreu no setor de operações. Estima-se que pelo menos oito profissionais tenham sido dispensados. Também aconteceram cortes no setor de maquiagem e figurino.

Por fim, a reportagem teve a informação de que eles ainda não cessaram. Na próxima semana, estariam previstas dispensas no setor de esportes, um dos mais bem sucedidos da casa.

Na teoria, o departamento deveria receber investimentos por conta da Copa do Mundo da Rússia, que a Band teoricamente está para anunciar a transmissão. O clima, claro, é de muita apreensão.

A reportagem tentou contato com a assessoria da Band por telefone neste início de tarde de sexta-feira (5), mas ainda não conseguiu uma resposta. Assim que tiver uma posição, e caso ela chegue, ela será atualizada.